Campeão de produtividade no RS tem como meta atingir média de 100 sacas de soja por hectare

Campeão de produtividade no RS tem como meta atingir média de 100 sacas de soja por hectare

O produtor Vanderlei Neu, do município de Quinze de Novembro/RS, foi campeão de produtividade em um concurso promovido pelo Comitê Estratégico Soja Br...

Janeiro acabou e a saca de soja não atingiu R$ 90 como prometeram! Quem paga o seu prejuízo?
Transgênicos devem representar 98,3% da área de soja em MS
Experiência que mostra como as plantas são importantes para evitar a erosão do solo.

O produtor Vanderlei Neu, do município de Quinze de Novembro/RS, foi campeão de produtividade em um concurso promovido pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (CESB), após obter uma produtividade de 102,7 sacas por hectare – mais de 6000kg/ha – em um talhão da sua lavoura que foi inscrito no concurso.

Na média total da sua propriedade, o produtor alcançou uma produtividade de 77,6 sacas por hectare e, nesta safra, possui o objetivo de chegar a uma média de 90 sacas por hectare. Neu atribui o sucesso da sua lavoura a “muito estudo, história e dedicação”, sobretudo a um trabalho de 23 anos em cima do sistema produtivo direto na palha, criando um sistema radicular fundamental para estruturar o solo.

Em pouco tempo, Neu também quer que 6000kg/ha seja a média total da sua lavoura, para a qual ele atribui de 70% a 80% do sucesso no solo. “A ‘boca’ da planta está dentro do solo e nós temos que dar condições para ela absorver mais nutrientes”, diz.
====================
EXPO CANINDEYU
PUBLICIDADE:

==========================

Depois de ganhar o troféu de produtividade, ele também realizou uma análise química da área para ver o que a deixava com um maior potencial produtivo. Foi possível constatar que a distribuição de fertilidade estava bastante equilibrada, o que mostrou também o sucesso do trabalho.

Para o futuro, Neu pretende continuar produzindo palha e observando as respostas do solo em relação a ela. Para os outros produtores, ele aconselha maior cuidado com o solo, observando problemas danosos como erosão e compactação. “Tem que mudar algumas coisas. Do jeito que está, não pode ficar”, conclui.

PUBLICIDADE