Brasil

O governo entra em coma

É improvável que o governo Dilma Rousseff sobreviva ao momento político. A tendência é que ele acabe prematuramente, nos próximos meses, com a aprovação do impeachment. A renúncia ou um afastamento também pode ser considerado.

Os movimentos do sistema político na última semana reforçam essa tendência: PMDB e PSDB já conversam abertamente sobre como viabilizar o pós-Dilma; Renan Calheiros, presidente do Senado, defende o “semiparlamentarismo”, reduzindo os poderes presidenciais; partidos como PSD, PP, PRB e PTB começam a se dividir desfavoravelmente ao governo; e o PMDB sinaliza que está muito próximo do desembarque.
bandeira_brasil_rasgada
Na convenção nacional do PMDB, no sábado (12), nenhum governista se dignou a defender Dilma Rousseff. A mensagem de rompimento foi clara. O prazo é que ficou pendente do andamento dos acontecimentos. Para todos, inclusive para os mais moderados, a fala do presidente da legenda e vice-presidente da República, Michel Temer, foi a de quem já se coloca como solução para os impasses do momento.
PUBLICIDADE:
banner-anuncie

No próprio PT há o entendimento de que Dilma não tem mais capacidade de reação. O ex-presidente Lula poderá ir para o Ministério com o objetivo de assumir o comando do país e tentar um último movimento. Seria uma opção desesperada que somente agravaria a precária situação.
11069867_899937643360937_2565617331953690966_n
Não bastassem os problemas políticos, o ambiente econômico segue em deterioração, contribuindo para ampliar a insatisfação popular com o governo e provocar novos protestos. O desempenho do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, desagrada, simultaneamente, a aliados e a adversários. Não existem boas notícias a caminho nesse campo.

As manifestações de domingo, 13, que reuniram mais de 3,5 milhões de brasileiros, tornaram mais evidente o destino do governo. São uma confirmação de que a presidente da República perdeu as ruas em um momento em que não controla nem a economia nem a política. Além de estar sob a mira da Operação Lava-Jato.

O mundo político, inclusive personalidades palacianas com quem conversamos, concorda que o governo exauriu as possibilidades de se tornar viável. Assim, o fim parece inevitável. E o impeachment já é considerado uma questão de tempo, mesmo para lideranças do Senado que até há pouco defendiam Dilma.

Com a decisão do Supremo sob o rito, que será tomada esta semana, inicia-se o processo que deverá retirar Dilma da Presidência. Não será uma marcha tranquila, conforme o processo de impeachment de Fernando Collor. Mas configura-se como inevitável.

O conteúdo e a intensidade das novas delações é que vão determinar a velocidade dos acontecimentos.

Murilo Aragão – Cientista Político
PUBLICIDADE:
12729215_1096478123744123_2481694800254289440_n

Comentarios

Más popular

Arriba