Conectate con nosotros

Fronteira

Acusado de tentativa de estupro é linchado por populares em Foz do Iguaçu

Publicado

en

Ele tentou abusar sexualmente de duas crianças de 4 e 10 anos

Um rapaz foi linchado por moradores durante a madrugada terça-feira (15), na Rua Monteiro Lobato, no Bairro Morumbi, em Foz do Iguaçu. O jovem é suspeito de tentar estuprar duas crianças de 4 e 10 anos. 

A Guarda Municipal foi chamada no endereço indicado, após o rapaz ser agredido por populares. Segundo os servidores, ele foi até a residência para pedir dinheiro e então foi espancado. 

O rapaz dormia na casa da bisavó e teria no domingo (13) tentado abusar sexualmente das duas meninas. 

O rapaz agredido foi inicialmente encaminhado à UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) João Samek e posteriormente encaminhado para a Delegacia da Policia Civil, onde foi apresentado a autoridade policial de plantão em decorrência da tentativa de estupro.

O CASO 

A tentativa de estupro das crianças aconteceu na Alameda Candida Peters, no Bairro Cohapar III, na madrugada de domingo (13) quando as duas crianças dormiam da casa da bisavó, e durante a madrugada o filho do bisavó teria tentado estuprar as duas crianças, sendo toda a situação denunciado na Delegacia da Policia Civil.

Tribuna Popular

Sigue leyendo
Comentarios

Fronteira

Mãe e filho morrem de infarto no mesmo dia no Paraná

Publicado

en

A mulher passou mal durante o velório do filho e morreu no hospital.

Estão sendo velados na manhã desta quarta-feira (13) os corpos de Rafael Rodrigo Kraemer, 36 anos e a mãe dele Vanesia Reck Kraemer, 57 anos. O velório acontece no Centro Pastoral da Igreja Católica em Maripá, região oeste do Paraná. 

De acordo com as informações, Rafael sofreu um enfarte fulminante pela manhã em Marechal Cândido do Rondon (34 km de Maripá), onde morava com a esposa. Ele estava em casa e passou mal após o café da manhã, a companheira acionou o SAMU, mas socorristas não tiveram tempo de salvá-lo. 

Na noite de ontem (12) durante o velório do filho em Maripá, a mãe de Rafael se sentiu mal. Ela foi levada ao Pronto Atendimento (PA) de Maripá. A equipe prestou socorro, mas ela também enfartou e morreu após tentativas de reanimação. 

Vanesia era comerciante em Maripá. A morte de mãe e filho abalou a pequena cidade com 5,8 mil habitantes.

O enterro é às 11 horas de hoje no cemitério municipal.

Portal CATVE

Sigue leyendo

Fronteira

Padre sertanejo acusado de ostentação cobra entrada de idosos para assistir programa

Publicado

en

Uma prática nada convencional em programas de auditório da TV aberta foi adotada pela RedeTV! com seu recém-contratado Alessandro Campos, o “padre sertanejo’: para participar da plateia da atração matinal, cada pessoa precisa desembolsar o valor de R$ 35. E a emissora diz que é alta a procura por um assento no estúdio do religioso.

O curioso nessa história é que o programa do padre é o único em toda a RedeTV! que cobra uma taxa de participação de seus convidados.

Para participar dos programas de auditório das grandes emissoras do país, como Globo, SBT e Record, os convidados não precisam desembolsar um centavo sequer.

A reportagem procurou o padre sertanejo para saber qual o destino de todo esse dinheiro arrecadado com a “bilheteria’ de seu programa, mas sua assessoria de imprensa não respondeu até a conclusão deste texto.

Na Rede Vida, emissora em que ele apresenta outro programa, o religioso faz a mesma cobrança da taxa para participar da plateia. E o destino do dinheiro que ganha com esse público também é um mistério.

No site Reclame Aqui, há inúmeras reclamações de senhoras de idade que pagaram pelo ingresso na esperança de ter algum tipo de contato com o padre sertanejo, mas alegam que não puderam se aproximar do artista para tirar uma selfie. Algumas relatam até da falta de atenção e do descaso da equipe de produção da atração.

O colunista Ricardo Feltrin, do UOL, chegou a dizer que o religioso foi acusado de ostentar uma vida de luxo. Em sua defesa, ele alegou não ter feito nenhum voto de pobreza perante a Igreja Católica.

MS NEWS

Sigue leyendo

Fronteira

Brasileiros nascem mais entre março e maio, mas razão intriga cientistas

Publicado

en

Há uma questão científica ainda sem resposta nas estatísticas de nascimento do Brasil. Os brasileiros nascem mais entre março e maio, nove meses após o inverno. E nascem menos em novembro e dezembro – os filhos dos meses de Carnaval. Por que isso acontece ainda não é sabido.

A diferença é significativa. Entre 1997 a 2017, houve 17% mais nascimentos em março do que em dezembro – os meses com os maiores e menores números de bebês nascidos nesse período. Em números absolutos, são 840 mil brasileiros a mais.

A diferença também é consistente ao longo dos anos. Desde o início da série histórica de nascimentos no Brasil, nos anos 90, há uma alta a partir de março, e uma queda a partir de novembro. Assim, o gráfico de nascidos mês a mês lembra uma frequência cardíaca, com um padrão que se repete.

Os dados foram levantados pela BBC News Brasil com base no Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), do Ministério da Saúde, que é notificado sobre todos os nascimentos no país. Outras fontes de dados, como as estatísticas do Registro Civil do IBGE e do Seade, mostram o mesmo padrão ao longo do ano.

Quando a bióloga e matemática americana Micaela Elvira Martinez, professora da Escola de Saúde Pública da Universidade de Columbia, olhou os dados brasileiros pela primeira vez, ficou perplexa: “Eu fiquei extremamente surpresa: ‘uau, eles (brasileiros) têm uma sazonalidade de nascimentos muito forte”.

Gráfico de barras mostra o número médio de nascimentos diário em cada mês, no acumulado de 1997 a 2017
Image captionFonte: Sinasc/Ministério da Saúde

A “sazonalidade” citada por Martinez se refere ao comportamento “sazonal” dos nascimentos por apresentam meses de pico e de baixa que se repetem ano após ano da mesma maneira.

É um fenômeno observado na maioria dos países do mundo. O que muda são os meses em que ocorre a alta e a baixa, bem como a diferença entre o número de nascimentos nesses dois pontos.

“Se não houvesse sazonalidade, todo mês nasceria uma quantidade equivalente de pessoas”, explica Morvan de Mello Moreira, da Fundação Joaquim Nabuco, um dos únicos pesquisadores brasileiros que se debruçou sobre esse tema.

A particularidade do Brasil – que deixou Martinez surpresa – é que o país é um dos casos com maior sazonalidade de nascimentos conhecida.

“Na maioria dos Estados americanos, nós vemos uma diferença de 6% a 8% entre o mês de pico (com maior número de nascimentos) e o mês de vale (com menor número), comparado com os cerca de 20% que vocês têm”, diz a professora de Columbia, que já analisou dados de mais de uma centena de países.

Mas a ciência ainda não sabe por que isso acontece – nem no Brasil, nem nos outros países. “Até hoje a gente não tem muita certeza, não podemos afirmar com segurança qual é a causa”, diz Moreira.

“Essa é uma grande pergunta em aberto”, acrescenta Martinez, PhD em Biologia Evolutiva e Ecologia. “(A sazonalidade dos nascimentos) é um fenômeno conhecido há muito tempo, há relatos com mais de um século. Então, é surpreendente que nós ainda não tenhamos a resposta definitiva para uma pergunta tão fundamental para nossa espécie.”

Uma das hipóteses é que o ciclo de nascimentos é provocado por mudanças no comportamento sexual ao longo do ano. Entram aí, por exemplo, um possível aumento da frequência de relações sexuais no inverno ou a abstinência por motivos religiosos no período da quaresma.

Outra hipótese é que a fertilidade humana pode aumentar ou diminuir de acordo com as mudanças nas condições ambientais ao longo do ano – principalmente, a quantidade de luz natural e a temperatura.

Porém, ressalta Martinez, é preciso muito mais estudos para testar essas e outras hipóteses. “Essa é realmente uma questão em aberto”.

Gráfico de linhas mostra a evolução mês a mês, desde 1997 até 2017, do número total de nascimentos
Image captionFonte: Sinasc/Ministério da Saúde. Todos os anos, o número de nascimentos aumenta de março a maio e cai de novembro a dezembro; queda récorde em novembro de 2017 é reflexo do adiamento da gravidez após a epidemia de zika

Região Norte é exceção

A alta de nascimentos em março e queda em novembro ocorre em todo o Brasil, exceto na região Norte.

Nos Estados da Amazônia, os nascimentos são mais distribuídos ao longo do ano, com dois picos pouco acentuados: o principal em setembro e outro mais leve em março. Dessa forma, nas últimas duas décadas, a diferença entre o número de nascidos em março e dezembro foi de apenas 5% na região – bem abaixo da média nacional, de 17%.

No outro extremo, estão Nordeste e Sudeste, com as maiores sazonalidades do país. Nessas regiões, a diferença entre o número de nascimentos em março e dezembro alcançou 20%, no mesmo período.

“Eu nunca tinha ouvido falar disso, mas faz sentido. No começo do ano, tem muita gente grávida. Só no meu trabalho e na igreja tem umas quatro meninas para ganhar neném”, diz Karine Fernanda de Almeida, de Brasilândia, zona norte de São Paulo, grávida de sete meses de Pedro. O parto está previsto para abril – o meio do período de pico.

“Tem lógica (que nasçam mais pessoas nessa época), porque no inverno rola mais clima (de namoro). No verão, com esse calor, ninguém quer ficar junto”, brinca Karine.

O Estado onde a sazonalidade é mais forte é a Bahia, com 26% mais nascimentos em março que em dezembro.

Na principal maternidade de Salvador, a Maternidade de Referência Professor José Maria de Magalhães Netto, a alta de partos entre março e maio chamou tanto a atenção dos profissionais de saúde da instituição que chegou-se a considerar que esse quadro poderia ser fruto de um aumento nas concepções durante as festas juninas – associação posteriormente descartada por falta de evidências científicas.

Em alguns pontos do Brasil, o fenômeno é ainda mais forte, como na pequena Feira da Mata, cidade baiana de 6 mil habitantes, a cerca de 800 quilômetros de Salvador. Nos últimos anos, Feira da Mata teve mais que o dobro de nascimentos em março em relação a dezembro.

A diferença fica visível no negócio de Madson Ravany, sócio da Mundo Encantado Festas, que aluga materiais para festas de aniversário na cidade. Segundo ele, o movimento entre os meses de março a maio é três vezes maior que o visto no final do ano.

Outro reflexo se dá na única escola estadual da cidade, o Colégio Filomena Pereira Rodrigues. Entre os alunos, há um número muito maior de aniversários de março a maio do que de outubro a dezembro.

“Talvez seja porque aqui é muito calor e o pessoal espera ficar mais fresco para namorar. E no Carnaval o pessoal usa muito preservativo”, aposta, em tom de brincadeira, Davi Dias Rocha, vice-diretor do colégio. Ele levantou os dados dos aniversários na escola a pedido da BBC. “Eu nunca tinha imaginado que era assim”.

Karine Fernanda grávida de sete meses de Pedro, na maternidade do Hospital Vila Nova Cachoeirinha, Zona Norte de São Paulo
Image captionKarine Fernanda, grávida de sete meses de Pedro, na maternidade do Hospital Vila Nova Cachoeirinha, Zona Norte de São Paulo

Hipóteses ainda não confirmadas

Mudanças na atividade sexual ao longo do ano são, de fato, uma das hipóteses para explicar a sazonalidade dos nascimentos, diz Martinez, da Universidade de Columbia. Outra hipótese importante são mudanças na fertilidade.

“Esses são os dois principais fatores. É possível que, ao longo do ano, a quantidade de atos sexuais desprotegidos varie. E também é possível que homens e mulheres apresentem mudanças sazonais na fertilidade, que nós não percebemos”, explica.

A combinação desses dois fatores explica por que a sazonalidade de nascimentos é bastante comum entre espécies de animais, segundo Martinez. “Muitos animais só se reproduzem e são férteis ao longo de uma pequena janela de tempo no ano.”

Dessa forma, os filhotes acabam nascendo em períodos específicos – que podem ser estações com mais comida, clima mais favorável à sobrevivência, menor incidência de doenças ou de predadores.

Assim, é possível que, há milhares ou milhões de anos, questões como essas também tenham sido importantes para a espécie humana. O resultado pode ter sido alteração na fertilidade e nos hábitos sexuais nas diferentes estações do ano.

“Então, a ideia é que, talvez, os humanos não sejam tão diferentes dos animais. Apesar das mulheres ovularem todos os meses e serem capazes de engravidar em qualquer momento do ano, e os homens produzirem espermatozoides continuamente, pode haver diferenças na fertilidade ao longo do ano. E isso é algo que nós ainda não sabemos”, completa a bióloga e matemática.

Gráfico de linhas mostra a curva de nascimentos mês a mês em cada região do país; região Norte é a única com curva diferente
Image captionRegião Norte é a única do Brasil com uma curva de nascimentos diferente, com dois picos: um de março a maio, outro em setembro e outubro

Relação entre latitude e mês com mais nascimentos

Em um estudo publicado em 2014 no periódico científico Proceedings of the Royal Society, Martinez e outros pesquisadores organizaram uma base de dados com milhões de nascimentos ocorridos no hemisfério Norte nas últimas décadas.

Ao analisar essas informações, os cientistas identificaram uma correlação entre latitude e mês do ano em que nascem mais pessoas. Quanto mais ao norte, mais os picos de nascimentos tendiam a ocorrer no começo do ano.

A maioria dos países europeus, por exemplo, têm um maior número de nascimentos em maio. Já nos Estados Unidos, localizado em uma latitude ao sul da Europa, o pico de nascimentos é um pouco mais tarde, entre julho e setembro – um estudo de um professor de Harvard identificou que 16 de setembro era o dia de aniversário mais comum entre os americanos.

Mas como a mudança de latitude poderia interferir nos nascimentos?

A duração do dia e da noite varia de acordo com a latitude. Regiões em latitudes distantes do Equador têm noites mais longas e dias mais curtos – e vice-versa, dependendo da estação do ano. Já em locais próximos do Equador, a duração do dia e da noite muda muito pouco ao longo do ano.

Dessa forma, a latitude interfere na quantidade de luz natural disponível. Além disso, a latitude também influencia na temperatura. A hipótese, então, é que mudanças nessas condições poderiam alterar a fertilidade humana – mas, novamente, nada disso foi provado.

O estudo da equipe de Martinez não analisou dados do hemisfério Sul. Mas, desde o ano passado, a pesquisadora passou a trabalhar com dados brasileiros. Assim, espera entender se a correlação entre latitude e mês de pico de nascimento também se repete por aqui.

“Esse é um dos motivos que me fizeram ficar surpresa com os dados sobre os Estados da Amazônia no Brasil. Nessa região, os dias são muito constantes, cerca de 12 horas de dia e 12 horas de noite, ao longo de todo ano. E nessa região os nascimentos são menos sazonais”, diz a pesquisadora.

Mulher grávida olhando para a barriga
Image captionMudanças no comportamento sexual e no ambiente (como quantidade de luz e temperatura) são algumas das hipóteses para explicar a variação dos nascimentos no ano

Influência da escolaridade da mãe

Mas como explicar que a maior parte do Brasil tenha o mesmo calendário de nascimentos, sendo que as regiões são tão diferentes entre si? Para Moreira, da Fundação Joaquim Nabuco, isso é um enigma.

“O Brasil tem dimensões continentais, variabilidade de clima, uma população volumosa e muito diferenciada. As sociedades do Sul e do Centro-Oeste são muito diferentes. O clima das duas regiões também. Mesmo assim, elas guardam essa similaridade nos nascimentos. Não conseguimos ter uma explicação para isso”, diz.

O pesquisador analisou os dados brasileiros em detalhes. Além da região Norte, encontrou apenas uma segunda variável que modifica significativamente o padrão dos nascimentos no Brasil: a escolaridade da mãe.

Entre 1997 e 2017, filhos de mães sem nenhuma instrução nasceram 30% mais em março do que em dezembro. Já no caso de mães com nível superior, a diferença no número de nascimentos nesses dois meses foi de apenas 10%.

Para Martinez, da Universidade de Columbia, isso pode estar relacionado ao planejamento familiar – mulheres com maior escolaridade usam mais métodos contraceptivos. Uma forma de testar essa hipótese seria verificar como eram os nascimentos no Brasil antes da existência de anticoncepcionais. Porém, faltam dados antigos – as primeiras informações são da década de 1990.

Em países que têm estatísticas anteriores, como os Estados Unidos, os pesquisadores verificaram que, no passado, a variação dos nascimentos ao longo do ano era ainda maior. “Nos anos mais recentes, a sazonalidade dos nascimentos está diminuindo e ficando cada vez mais fraca. E isso pode ser uma consequência de haver cada vez mais planejamento familiar”, diz a bióloga americana.

Pela falta de estatísticas do século passado, não sabemos se isso também está ocorrendo no Brasil. Se estiver, então é possível que, um dia no futuro, os bebês concebidos no inverno brasileiro deixem de ser a maioria.Fonte: BBC

Sigue leyendo

Más popular