Conectate con nosotros

Otros

Brasil vai isentar chineses de visto para entrar no país

Publicado

en

EQUIM, CHINA (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quinta-feira (24) que vai isentar os chineses de visto para entrar no Brasil para turismo ou negócios.

A princípio, não haverá reciprocidade. A medida já foi anunciada para Estados Unidos, Japão e Canadá. O próximo país deve ser a Índia.

Segundo o chanceler Ernesto Araújo, ainda não há prazo, porque deve haver forte demanda. A China possui uma população de cerca de 1,39 bilhão de pessoas.

Hoje os chineses que querem viajar ao país precisam recorrer a um dos três consulados que o Brasil tem na China, localizados em Pequim, Xangai e Cantão.

A medida foi anunciada primeiramente a «pesos pesados» da indústria da China. Bolsonaro se reuniu em Pequim com 19 presidentes de grandes companhias chinesas de setores como varejo, aviação, infraestrutura, agrícola e entretenimento.Entre eles, estavam Wang MingQiang, CEO do Alibaba, Feng Yong Fang, presidente do Grupo de Investimentos CRCC (infraestrutura), e Yu Songho, presidente do HeRun Group, um dos maiores importadores de soja do país.

O encontro foi organizado pelo presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, que convidou companhias com as quais a entidade mantém relações.

Bolsonaro também aproveitou a oportunidade para frisar aos chineses que agora, após a aprovação da reforma da Previdência, o Brasil está «solvente», o que dará previsibilidade aos seus negócios.

A reunião foi bastante protocolar e durou cerca de meia hora. Os empresários chineses apresentaram seus negócios e falaram sobre seu desejo de investir no Brasil.

A abertura de Bolsonaro ao investimento chinês representa uma importante mudança de postura em relação ao discurso adotado na campanha eleitoral. Na época, o então candidato chegou a afirmar que «a China não estava comprando no Brasil, mas comprando o Brasil».

A extrema-direita brasileira, capitaneada por Olavo de Carvalho -conhecido como o «guru» de Bolsonaro-, não vê com bons olhos a aproximação entre Brasil e China.

Em janeiro deste ano, um comitiva de deputados visitou a China para conhecer os sistemas de segurança por reconhecimento facial do país e foi duramente criticada pelo escritor, que chamou os congressistas de «caipiras» e «semianalfabetos».

Apesar da resistência de parte de seus eleitores, Bolsonaro tem adotado um tom pragmático e levado aos chineses a mensagem de que o Brasil está aberto a negócios.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil. De janeiro a setembro, o intercâmbio comercial entre os dois países somou US$ 72,8 bilhões. Em 2018, foram US$ 98,8 bilhões -um recorde.

Sigue leyendo

Publicidad

Más popular